Make your own free website on Tripod.com

Doenças Psicossomáticas

Diversos tipos de problemas gastrointestinais, afecções dermatológicas e alterações neurovegetativas são alguns dos transtornos orgânicos que têm origem em desequilíbrios dos processos mentais.

Doenças psicossomáticas são todos os processos orgânicos patológicos de origem psicológica, causados por estresse, ansiedade, depressão etc. Esses fatores determinam uma ativação inadequada do sistema neurovegetativo e das glândulas endócrinas. Sua repetição pode levar a alterações crônicas, tanto funcionais como anatômicas, dos sistemas orgânicos. A medicina moderna passou a estudar a estreita relação existente entre a esfera psíquica e o funcionamento do organismo no início do século XX, com a patologia funcional de Ernest von Bergmann e as correntes personalistas e antropológicas de Ludolf von Krehl, Richard Siebeck e Viktor Weizsäcker. A tendência a considerar o homem de forma global opôs-se à crescente especialização da medicina e sua tendência ao mecanicismo.

Do ponto de vista fisiológico, verifica-se que, durante os estados de excitação, medo, raiva etc., produz-se de forma imediata uma modificação nas constantes vitais: a pressão sangüínea se eleva, o ritmo respiratório se acelera e produzem-se secreções, como a transpiração e a descarga de adrenalina. Tal preparação fisiológica para situações de emergência constitui uma resposta transitória, que atua até que as circunstâncias externas adversas ou ameaçadoras tenham deixado de existir. Entretanto, se o estado biopsíquico perdura a ponto de se tornar habitual, os mecanismos neuro-hormonais se alteram e exercem sobre órgãos e tecidos uma pressão superior à que se requer para seu funcionamento normal. Daí o grande número de afecções degenerativas -- cardiovasculares, digestivas, neurológicas etc. -- ligadas a atividades cujo exercício sujeita os profissionais a múltiplas tensões, ansiedade e estresse, freqüentemente associados ao excesso de trabalho.

Além das complicações já mencionadas, muitas outras podem ser causadas pela sobrecarga de preocupações, tais como hipertensão, flatulência, obesidade, enxaquecas, dermatites, impotência, frigidez, dores musculares etc. Terapia farmacológica, psicanálise, ioga, meditação, exercícios de relaxamento e massagens são alguns dos recursos utilizados para tratar as doenças psicossomáticas.

Psiconeuroimunologia. No início da década de 1980, surgiu uma nova especialidade médica, a psiconeuroimunologia, encarregada de investigar as interações entre o sistema nervoso central e o sistema imunológico. Verificou-se que distúrbios de natureza psicológica estão freqüentemente associados a fenômenos fisiológicos, como alterações na chamada "química do cérebro", que consistem em mudanças na concentração dos neurotransmissores, mensageiros químicos que atuam na transmissão dos impulsos nervosos. Os primeiros estudos nesse campo concentraram-se nas relações entre o estresse e os distúrbios imunológicos. Pesquisas realizadas no final da década de 1980 comprovaram que alguns componentes do sistema imunológico responsáveis por estimular a ação dos linfócitos T (as chamadas células assassinas) tinham sua atividade diminuída após uma exposição do organismo a fatores estressantes. Demonstrou-se, assim, que o estresse reduz os anticorpos naturais do organismo e, portanto, a resistência às doenças. Outros trabalhos nessa área voltaram-se para o estudo da imunoestimulação -- o aumento da resposta imunológica aos agentes agressores -- por meio de técnicas de hipnose, meditação e relaxamento. As primeiras pesquisas indicaram que essas técnicas são capazes de estimular o organismo a produzir mais células de defesa. ©Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.